Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

COMUNICAR E ENVOLVER - Oficina de comunicação global

As notícias e opiniões nas mais diversas áreas, com gestão de António Veríssimo.

COMUNICAR E ENVOLVER - Oficina de comunicação global

As notícias e opiniões nas mais diversas áreas, com gestão de António Veríssimo.

23
Set18

RECORDANDO A HOMENAGEM A ZECA E ADRIANO EM MIRA

antónio veríssimo

COM ZECA E ADRIANO EM 2012

 

Em Mira, em 28 de Abril de 2012 homenageámos Zeca e Adriano com uma sessão solene, um espectáculo e a inauguração de um memorial recordando Zeca e Adriano. Presentes Alípio de Freitas, Camilo Mortágua, Helena Pato, Rui Pato, Carlos Esperança,Carlos Carranca e muitos mais amigos numa parceria organizadora que teve movimentos, escolas e autarquias. É bom recordar!

 

ABRIL, CARTAZ DIA 28.jpg

 

 

28-ABRIL-JUNTO-AO-MEMORIAL-1024x768.jpg

"A CANTIGA É UMA ARMA"

a cantiga.jpg

 

Ontem tertuliámos durante 45 minutos no Museu do Território da Gândara, em Mira.
Com o mote da cantiga de José Mário Branco, recordámos, não apagámos a memória, cantámos, tocámos, recitámos...e provámos, mais uma vez, que é sempre mais forte o que nos une do que aquilo que nos divide.
Além de José Mário Branco, também "passaram" por ali Ary dos Santos, Manuel Alegre, Carlos Paredes, José Afonso e Adriano Correia de Oliveira.
A qualidade imperou e os 11 que participaram valeram por nem sei quantos mil.
O encontro, que se podia ter feito num café mas não era a mesma coisa, teve o apoio da Junta de Freguesia de Mira, da Câmara Municipal e da rádio Vagos FM e do jornal Mira Online.

21
Set18

Uma manhã diferente: Observação de Aves

antónio veríssimo

 


O Núcleo Regional de Braga da Quercus promove uma atividade de Observação de Aves que decorrerá no dia 7 de Outubro de 2018, entre as 10h00 e as 12h00, na Praia Fluvial de Adaúfe, em Braga.


O acompanhamento técnico estará a cargo de Francisco Areias e Rui Santos e a observação é aberta a adultos e crianças.


 As inscrições gratuitas, mas obrigatórias até dia 3 de Outubro de 2018, através deste link:http://bit.ly/2OA9Rum


 


Junte-se a nós!

15
Set18

JOANA VERÍSSIMO CONVERSA COM OS SEUS LEITORES HOJE, PELAS 21 H, EM PORTOMAR, NO "CALDEIRÃO DO CHAPELEIRO"

antónio veríssimo

Autora de dois livros ("Há pesadelos que nos fazem acordar" e "Sorriste-me"), Joana Verísssimo conversa hoje com os seus leitores, pelas 21 horas, no Bar-restaurante "Caldeirão do Chapeleiro", em Portomar.

Joana Veríssimo tem 22 anos e é formada em Jornalismo e Comunicação pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

Estão todos convidados, leitores e futuros leitores, para este evento cultural.

NÃO ESQUECER: 21 HORAS NO "CALDEIRÃO DO CHAPELEIRO", EM PORTOMAR.

livro 2.jpg

livro 1.jpg

 

07
Set18

CineEco 2018: o cinema de mãos dadas com o ambiente em Seia

antónio veríssimo

Pré-lançamento da edição 2018 do CineEco com a estreia nacional do filme “Vivendo num Futuro Passado” com Jeff Bridges.
A Câmara Municipal de Seia e a organização do Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela têm o prazer de convidar V. Exa. para o pré-lançamento da vigésima quarta edição do CineEco.
“O que esperar da edição 2018 do CineEco” será o mote deste pré-lançamento, conduzido pelo Presidente da Câmara de Seia, Carlos Filipe Camelo Miranda de Figueiredo, e pelo Diretor do Festival, Mário Branquinho, e que terá como ponto alto a exibição do filme de Susan Kucera (EUA), “Vivendo num Futuro Passado” (Living in the Future’s Past), narrado pelo conhecido ator Jeff Bridges. Um documentário várias vezes premiado, extraordinariamente bem fotografado e com um pensamento original sobre quem somos e os desafios ambientais que enfrentamos. Entrevistas e depoimentos com cientistas e proeminentes pensadores, que tecem ideias sobre a evolução, emergência de agir, entropia e uma ecologia sombria, a que alguns chamam de fim da natureza, numa história que nos ajuda a entender o nosso lugar entre as espécies animais da Terra.
Saiba mais sobre o filme em: www.livinginthefuturespastfilm.com

cineeco.jpg

 

07
Set18

7 setembro: Homenagem da Cinemateca a António Loja Neves

antónio veríssimo

A Cinemateca Portuguesa homenageia António Loja Neves esta sexta-feira, às 21h30, numa sessão que conta com a projeção de “O Silêncio”, realizado por António Loja Neves e José Manuel Alves Pereira, que também estará presente

SILÊNCIO relata o episódio trágico da aldeia fronteiriça de Cambedo da Raia, cercada pela Guarda Civil, o Exército, a PIDE e a GNR em 1946, que resultou na prisão de vários cidadãos e na morte de dois militantes antifascistas. Forçados ao silêncio por mais de 40 anos, este documentário recupera vários depoimentos que ajudam a clarificar a história de um evento trágico dos dois países.

António Loja Neves nasceu no Funchal, em 1953 e foi ativista, jornalista, ator, realizador, crítico, cronista, poeta, madeirense, lisboeta e cidadão do mundo. Despertou para a política envolvendo-se na luta anticolonial e antirracista em Cabo Verde e foi mais tarde militante do PCTP/MRPP, aderente do BE e fundador do partido LIVRE.

evento no facebook da Cinemateca: https://www.facebook.com/events/515341458925824/

loja neves.png

 

06
Set18

Le Monde diplomatique, edição de Setembro nas bancas

antónio veríssimo

Na edição de Setembro, destaque para a proposta de João Rodrigues de um novo conceito, o de «porno-riquismo», para explicar o nexo actual, e causador de desigualdades, entre imobiliário, turismo e finança internacional. Neste mês de regresso às aulas, analisamos uma novidade, a da distribuição gratuita de manuais escolares (Fernando Ramalho), e uma permanência, a da precariedade na ciência e no ensino superior (André Carmo). Tratamos ainda questões colocadas pelo declínio demográfico (Alexandre Abreu) e pela exploração de petróleo e de gás (Luís Fazendeiro). Do incêndio de Monchique, «sementes da esperança renovada» nas palavras de Eduardo Jorge Duarte.

No internacional, dois artigos sobre a política de Israel: um sobre a transformação do país numa «etnocracia», com a lei do Estado-nação; outro sobre a proibição de um documentário sobre o lóbi israelita. Na Europa, destaque para o fiasco da privatização da escola na Suécia e para a desconstrução do que são realmente os percursos de «radicalização» em França. Um olhar sobre a história das relações entre a Rússia, a União Europeia e os Estados Unidos desde o colapso da União Soviética permite compreender políticas e tensões da actualidade. Por fim, uma investigação segue o percurso do salmão e da aquacultura em vários continentes, revelando perigos para o ambiente a saúde.

le monde.jpg

 

05
Set18

Setembro mês de ação e luta pela habitação

antónio veríssimo

No dia 22 de Setembro a partir das 15h está marcada uma Manifestação em Lisboa e no Porto. Esta manifestação é convocada por um conjunto alargado e diverso de associações e coletivos que vêem os problemas da habitação e das nossas cidades agravarem-se com o processo de especulação generalizada e com a privatização de espaços públicos e socioculturais.

Para além da manifestação vão ocorrer várias atividades durante o mês de Setembro. Estas atividades articulam-se num calendário comum, com o objetivo de discutir, denunciar, questionar e desafiar o modelo de desenvolvimento capitalista, que transforma a cidade num gigantesco negócio, subordinando-a às leis de mercado e excluindo os seus habitantes.

manif.jpg

academia.png

 

04
Set18

Cidadãos de Pedrógão Grande lançam petição e agendam manifestações

antónio veríssimo

Um grupo de cidadãos uniu-se para avançar com uma petição, a ser entregue na Assembleia da República, e duas manifestações em Lisboa e Porto, relativas aos grandes incêndios de Pedrógão Grande. Mais de um ano após aquela que é considerada uma das maiores tragédias nacionais de que há memória, o grupo de cidadãos pretende, com a petição, “reunir o máximo de assinaturas e pressionar a Assembleia da República para que dê prioridade ao caso de Pedrógão Grande”, pedindo que “a justiça actue sem demoras”. O grupo tem como objectivo final “ajudar as vítimas que ainda esperam pelas suas habitações e outros recursos”. 
Segundo uma nota de imprensa enviada ao nosso jornal, para esses cidadãos “o calvário parece não ter fim à vista para as vítimas” dos incêndios. “Um ano depois dos fogos que devastaram a região e onde faleceram dezenas de pessoas, ainda não foram entregues as habitações reconstruídas a muitos dos habitantes. Em paralelo, as denúncias de má utilização dos donativos e fundos públicos aumentam de dia para dia”, explica o grupo para fundamentar os seus protestos.

DIÁRIO DE COIMBRA

PEDRÓGÃO.png

 

03
Set18

Casas pré-fabricadas: económicas, rápidas e ecológicas

antónio veríssimo

Está cansado de procurar casa e não encontra um bom negócio? Não desespere. Há boas alternativas às casas tradicionais.

Os preços das casas não param de subir. Há várias explicações, mas a explosão do alojamento local, em conjunto com o aumento da procura de casa por portugueses e estrangeiros, deixou o mercado com menosimóveis disponíveis para venda.

E quando a oferta é escassa face à procura, os preços disparam. Isto é verdade nos grandes centros urbanos, onde o preço das casas já é proibitivo para as famílias comuns, mas também já nos concelhos limítrofes, onde a habitação está a encarecer.

Felizmente, como em quase tudo na vida, há alternativas. Se não consegue encontrar a casa que quer, aopreço que pode pagar, no sítio que sonhou, construa uma. Já ouviu falar de casas pré-fabricadas?

O que são as casas pré-fabricadas?

Como o nome indica, são casas produzidas em fábricas e depois transportadas até ao terreno onde vão ser montadas. Na prática, funciona mais ou menos assim: chega a um sítio, escolhe a sua casa e manda entregar no terreno onde quer morar.

Quais são as vantagens?

Há três grandes vantagens: são mais baratas, mais rápidas de construir e mais ecológicas. E depois há outras tantas que não deixam margem para dúvidas: os pré-fabricados podem ser tão bons, seguros e bonitos como uma casa tradicional.

  • São mais económicas. São constituídas por módulos contruídos em fábricas, que depois basta transportar para o terreno, encaixar - como se de um Lego se tratasse – e assim nasce uma casa de arquitetura modular. Os preços começam nos 50 mil euros e podem ir além dos 200 mil, dependendo da casa que escolher e da empresa que contratar. Para ficar com um exemplo real de uma das empresas de que vamos falar adiante: um T3+1 com 151m2, isolamento 360º, Classificação Energética A+ e Licenciamento incluído, custa 116.990€.
  • São mais rápidas de entregar ao cliente, porque não implica a existência de uma obra, de um processo de construção e de muita mão de obra. Trata-se de um processo de produção num espaço de tempo curto que, em geral, demora entre 60 e 120 dias.
  • São mais ecológicas, desde logo porque, por norma, vivem em harmonia com a paisagem, com a natureza e são feitas para aproveitar a energia do sol. Mas também porque são construídas com materiais sustentáveis, altamente resistentes e com características térmicas e acústicas únicas, como a madeira.

Há casas destas fabricadas em Portugal?

Sim, esta é a boa notícia. A menos boa é que tem tantas opções que escolher pode revelar-se uma tarefa árdua. A primeira coisa que tem de saber é que cada casa é uma casa, mesmo as modulares. Sabendo que tipologia, estética e design, qualidade e preço quer para a sua casa, será mais fácil encontrar profissionais à medida.

Deixamos-lhe apenas umas pistas:

  •  Se gosta de um estilo moderno e contemporâneo e precisa de ajuda a encontrar um terreno, espreite aKitur.
  • Se quer um pacote com tudo incluído para a sua casa, já com plantas pré-concebidas e preços estimados, com entrega da casa pronta a habitar, conheça a VanguardOption.
  • Se procura uma casa modular diferente, atrevida, excêntrica, encontra modelos exclusivos na Fábrica das Casas.
  • Se a sua ideia é ter uma casinha de campo perfeita, viste a Cosquel.
  • Se quer arquitetura a preços low-cost, pode encontrar resposta na Office of Feeling Architecture.
  • Se procura uma segunda ‘habitação’ para plantar à beira da costa portuguesa, por exemplo, espreite osbungalows da goodmood.

Como já percebeu, alternativas rápidas e económicas, não faltam. Com mais uma vantagem: a de poder levar a casa para onde quiser. 

Agora a decisão é sua, e da sua família.

 

CONTAS CONNOSCO

CASAS.png

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D