Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COMUNICAR E ENVOLVER - Oficina de comunicação livre e global

As notícias. os factos e as opiniões, nacionais e internacionais, nas mais diversas áreas, com gestão de António Veríssimo. Para se sentir sempre informado.

COMUNICAR E ENVOLVER - Oficina de comunicação livre e global

As notícias. os factos e as opiniões, nacionais e internacionais, nas mais diversas áreas, com gestão de António Veríssimo. Para se sentir sempre informado.

18
Nov18

ALERTA VERMELHO! ALERTA VERDE! LISBOA 2018

antónio veríssimo

 

ecosoc-banner.png

 

IV Encontros Internacionais Ecossocialistas

Alerta vermelho, alerta verde: dar forma à transformação ecossocialista

Ao olharmos criticamente para as primeiras duas décadas do terceiro milénio, soa o alarme ao vermos que o colapso social não está apenas a equiparar-se, senão a ultrapassar o desastre ecológico. A perda de biodiversidade e a destruição de ecossistemas essenciais atingiu níveis catastróficos, o planeta está na trajectória para aquecer bem acima do limite dos 2ºC, a poluição torna-se sistémica em todo os cantos da nossa Terra, vemos doenças que julgávamos extintas a voltar, ao mesmo tempo que estamos a perder os nossos bens comuns por todo o mundo para empresas privadas e governos estrangeiros. Actualmente, milhões de pessoas são expulsas das suas casas, das suas terras, locais de trabalho e até dos seus países, sem direito a escolha sobre os seu destino. Como consequência, vemos um renovado aumento da fome, do desemprego e da exclusão social, dando espaço ao aumento da desigualdade e da discriminação, do racismo, do nacionalismo e de atitudes patriarcais, colonialistas e reaccionárias.

As elites políticas e económicas capitalistas transnacionais persistem em tentar remendar as falhas do modelo económico capitalista industrial com falsas soluções tecnológicas e de mercado, a que chamam economia verde, desenvolvimento sustentável ou capitalismo natural. Cada nova crise é vista como uma oportunidade por estas elites para aumentar a financeirização, a militarização e a privatização de bens e serviços públicos.

Nada está a ser feito para resolver as duas principais contradições do capitalismo: a exploração dos mais importantes elementos produtivos – as pessoas e a Natureza. Sob a hegemonia capitalista industrial o que estamos a produzir, reproduzir, distribuir e consumir, em vez de progresso, é um profundo desenraizamento e a destruição dos próprios meios materiais e culturais que sustentaram as civilizações humanas.

Desde 2014 que colectivos ecossocialistas, ecofeministas, camponeses, sindicatos, movimentos sociais e organizações políticas se têm encontrado para imaginar colectivamente e pôr em marcha uma alternativa ecossocialista ao actual paradigma  económico destrutivo. O Ecossocialismo, como crítica social teórica e prática, propõe-se a tarefa dupla de desmantelar o capitalismo, o produtivismo e a desigualdade, ao mesmo tempo que constrói as alternativas que possam produzir a justiça eco-social. Procura atingir a sua missão ao abordar questões críticas dos objectivos da economia e do trabalho, da produção e reprodução social, da propriedade dos meios de produção, a partilha dos bens comuns e os processos de decisão democráticos e solidários, tendo sempre em conta a restauração dos nossos ecossistemas fragilizados.

As pessoas que se propõe organizar a quarta edição dos Encontros Internacionais Ecossocialistas, em conjunto com as anteriores organizações das edições no País Basco, Espanha e Suíça, apelam à participação de colectivos, movimentos sociais, sindicatos, organizações políticas, investigadores, trabalhadoras, precários, desempregadas e todas as pessoas que se identifiquem com o ecossocialismo para juntarem forças e mentes na construção de uma práxis ecossocialista para as transformações sociais e o Bem Viver para todas as pessoas da Terra. 

Esperamos vê-las em Lisboa de 23 a 25 de Novembro!

Primeiras subscrições:

João Camargo, Lanka Horstink, Lúcia Fernandes, Ana Rita Antunes, Sinan Eden, Pedro Cardoso, Hugo Mota, Carlos Teixeira, Eugénia Santa Bárbara, João Costa, José Janela, Morgane Masterman, Martin Winiecki, Paula Sequeiros, Gil Penha-Lopes, Mónica Rocha, Guilherme Luz, Juan Tortosa, Iñaki Barcena, Christine Poupin, Alfons Pérez, Pascoe Sabido, Kevin Buckland, Mari Ver, Noura Elouardi, Manuel Lodeiro, Yolanda Picano, Alba del Campo, Manuel Gari Ramos, Jone Extxeberria, Jorge Reichmann, Daniel Tanuro, Mathieu Le Quang, Samuel Martín-Sosa, Nnimmo Bassey, Lucile Daumas, Tom Kucharz, Rommy Arce, Michael Lowy, Emilio Santiago, Luis Gonzalez Reyes, Yayo Herrero, Paca Blanco, Juanjo Álvarez, Dominique Malvaud, Christophe Aguiton, Vincent Gay, Jaime Pastor, Judith Carreras, Adrián Almazán, Zoe Arcanio, María Eugénia Palop, Javier Andaluz, Carmen Madorrán, Elizabeth Peredo, José Luís Garcia, Begoña Dorronsoro, Esther Vivas

LOCAL: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMÕES, PRAÇA JOSÉ FONTANA, LISBOA

eco.png

ORGANIZADORES:

CLIMÁXIMO

ZERO

SOS RACISMO

GAIA

LIVRE

PRECÁRIOS INFLEXÍVEIS

ACADEMIA CIDADÃ

MAS

PENICHE LIVRE DE PETRÓLEO

40 CES

BLOCO DE ESQUERDA