Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COMUNICAR E ENVOLVER - Oficina de comunicação global

As notícias e opiniões nas mais diversas áreas, com gestão de António Veríssimo.

COMUNICAR E ENVOLVER - Oficina de comunicação global

As notícias e opiniões nas mais diversas áreas, com gestão de António Veríssimo.

23
Mai18

Julio Pomar partiu, a cultura empobreceu mais uma vez

antónio veríssimo

Júlio Pomar, um Importante e multifacetado artista plástico português, com obra feita nas mais diferentes vetentes, Pomar pertencia à terceira geração de modernistas. Tinha 92 anos e estava internado há algum tempo. Em comunicado, a Câmara Municipal de Lisboa, cidade de que era natural, lamentou “profundamente o desaparecimento” do “nome maior da pintura modernista” portuguesa.

Júlio Artur da Silva Pomar nasceu a 10 de Janeiro de 1926, em Lisboa. Em criança, era introvertido e muito metido consigo próprio, refugiando-se “no gosto e na prática quase excessiva do desenho”, como confessou ao Diário de Notícias em 2016. Não foi por isso de estranhar a decisão de prosseguir os estudos artísticos, fazendo a primeira parte da sua formação na Escola António Arroio. Foi aí, na escola de artes lisboeta, que conheceu Marcelino Vespeira, Mário Cesariny, Fernando de Azevedo, Pedro Oom, José Gomes Pereira e Artur Cruzeiro Seixas, entre outros, que se haviam de afirmar como alguns dos mais importantes artistas portugueses da primeira metade do século XX.

Depois da António Arroio, seguiu-se, naturalmente, a Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa, para onde entrou em 1942. Era então aluno da instituição quando lhe compraram o primeiro quadro, Os Saltimbancos.
A oportunidade surgiu depois de uma exposição que fez com colegas no ateliê que partilhavam na Rua das Flores, mesmo ali ao lado. E o comprador foi José de Almada de Negreiros, que fez questão de expôr a pintura ao público no VII Salão de Arte Moderna do Secretariado de Propaganda Nacional.

Dois anos depois da entrada para as Belas-Artes de Lisboa, decidiu mudar-se para o Porto, devido à descriminação de que eram alvo os ex-alunos da António Arroio. Começou a frequentar a Escola de Belas-Artes portuense, travando conhecimento com o grupo de Fernando Lanhas, Júlio Resende e Amândio Silva, responsável pelas chamadas “Exposições Independentes”. Apesar da sua formação superior, Pomar costumava dizer que aprendeu mais com Velázquez do que com qualquer professor, lembra o Diário de Notícias.

Em 1945, tornou-se responsável pela página semanal “A Arte”, do diário A Tarde, do Porto, mas foi com a obra Gadanheiro que começou a chamar a atenção. Realizada na sequência da participação na IX Missão Estética de Férias em Évora, no mesmo ano, a pintura foi exposta na Sociedade Nacional de Belas Artes, em Lisboa, arrancando fortes elogios a Mário Dionísio, talvez um dos primeiros a notar em Júlio Pomar “um grande pintor”.
Dois anos depois, Pomar realizou a primeira exposição individual, no Porto. O reconhecimento, porém, seria de pouca dura: depois de se juntar às Juventudes Comunistas, ainda em 1945, e de fazer parte, no ano seguinte, do MUD Juvenil, Júlio Pomar foi preso pela PIDE, em 1947.
Apesar da prisão, algumas das suas obras neorrealistas mais emblemáticas, como Almoço do Trolha ou Resistência, chegaram a ser expostas na Exposição Geral de Artes Plásticas desse ano. Mas os frescos que pintou para o Cinema Batalha, no Porto, não teriam a mesma sorte: o trabalho, realizado entre 1946 e 1947, foram eliminados já depois da inauguração pela polícia política, em 1948. Hoje, porém, “é reconhecida a importância da sua fase neorrealista, em que a arte assume a forma de protesto social”, como salienta a Câmara Municipal de Lisboa na nota de pesar, emitida ao final da tarde desta terça-feira.

Depois da prisão, ao lado de Mário Soares, de quem era amigo, Pomar passou a viver sobretudo da ilustração, de trabalhos decorativos e em cerâmica, colaborando em publicações com ligações ao movimento neo-realista. Como lembra a informação disponível no site da Fundação Calouste Gulbenkian, até 1979, apenas uma obra sua foi comprada pelo Estado, por intermédio de Diogo de Macedo — Menina com Galo Morto. O ponto final da fase neorrealista coincide com a mudança para Paris, cidade onde Pomar se instalou definitivamente a partir de 1963 e onde foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, entre 1964 e 1966.

Nesta nova fase, a obra de Pomar evolui para ‘um novo figurativismo’, sob influência da pintura do pós-guerra”, refere a Câmara de Lisboa. “Emblemática” foi também, segundo a autarquia, a sua participação numa mostra dedicada ao quadro de Ingres, Le Bain Turc, organizada pelo Museu do Louvre, em 1971. Sete anos mais tarde, foi organizada em Lisboa a primeira exposição retrospectiva do artista, pela Fundação Gulbenkian, onde foi possível apreciar “as obras mais paradigmáticas de uma multifacetada carreira”, onde “pontuam o protesto, o erotismo, o fado e a tourada, a literatura, a mitologia e os retratos”. O seu reconhecimento não parou de aumentar nos anos seguintes.

No ano de 2004, foi condecorado pelo então Presidente da República, Jorge Sampaio, com a Ordem da Liberdade. Entre as homenagens que recebeu, destacam-se também o grau de Doutor Honoris Causa, atribuído pela Universidade de Lisboa, e a Medalha Municipal de Honra, pela Câmara de Lisboa. Júlio Pomar foi também o único pintor português que, em vida, teve uma obra “Classificada” pelo Estado português: o Almoço do Trolha.

O ano que foi condecorado por Sampaio marcou uma nova fase na carreira do artista, com a abertura do Atelier-Museu Júlio Pomar, instalado num edifício perto da sua residência em Lisboa. O acervo de cerca de 400 obras de pintura, escultura, desenho, gravura, serigrafia e artes decorativas, foi depositou no museu monográfico dedicado à sua obra: o Atelier-Museu Júlio Pomar, fundado pela Câmara Municipal de Lisboa e aberto ao público em 2013, num edifício do século XVII alvo de uma reabilitação da autoria do arquiteto Siza Vieira, amigo do pintor.

Um dos artistas mais conceituados do século XX português, Júlio Pomar deixa uma obra marcada por várias estéticas — que vão desde o neorrealismo ao expressionismo, passando pelo abstracionismo — e uma profusão de temáticas abordadas. Apesar de se ter dedicado sobretudo à pintura e desenho, o artista plástico realizou também trabalhos de gravura, escultura e assemblage, ilustração, cerâmica e vidro, tapeçaria, cenografia para teatro e decoração mural em azulejo, como mostra o acervo doado ao Atelier-Museu com o seu nome. Nos últimos anos de vida, o artista dedicou-se também à poesia e à música.
Para Marcelo Rebelo de Sousa: a “cultura portuguesa fica muitíssimo mais pobre

Um “inovador e criativo irreverente”. Foi assim que o Marcelo Rebelo de Sousa descreveu o pintor Júlio Pomar, considerando que a cultura portuguesa ficou “muitíssimo mais pobre” com a morte do artista.

Questionado pelos jornalistas, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, o chefe de Estado descreveu Júlio Pomar como “um inovador e criativo irreverente, profundamente rebelde”, que “esteve sempre à frente do seu tempo” e “marcou boa parte do século XX, marcou a transição para o século XXI” em Portugal, “mantendo-se sempre jovem”. “Devemos a Júlio Pomar a abertura de Portugal ao mundo e a entrada do mundo em Portugal, desde logo, durante a ditadura, não apenas como pintor, não apenas como desenhador, mas como grande personalidade da cultura”, afirmou o Presidente.

nterrogado sobre qual a melhor homenagem que o país lhe pode prestar, o Presidente respondeu ter “a certeza de que o Governo português não deixará de propor o luto nacional correspondente”. “Além disso, certamente que o Governo português irá meditar numa forma de o homenagear tal como ele gostaria, de uma forma não clássica, não conservadora, não tradicional. Mas progressista e virada para o futuro”, acrescentou.

O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, também já reagiu à morte de Júlio Pomar, uma “imensa perda” para a cultura portuguesa. “Foi um artista maior no Portugal contemporâneo. Um artista profundamente envolvido com o seu tempo e com o seu país”, defendeu Ferro Rodrigues, para quem Júlio Pomar se foi também um cidadão “empenhado no combate à ditadura e na causa da democracia”. “Um artista multifacetado que sabia inspirar o grande público e também por isso deve servir de inspiração às novas gerações. Sem dúvida uma imensa perda para a cultura portuguesa”, sublinhou ainda.
Ministro da Cultura: “Júlio Pomar era um símbolo das artes e do conhecimento”

Em comunicado, o ministro da Cultura, Luís Filipe de Castro Mendes, lamentou “profundamente a morte de Júlio Pomar”, um “artista extraordinário e uma figura incontornável na cultura e na história das artes visuais portuguesas”. “O país está grato pelo legado incomensurável que nos deixa e pela capacidade de nos inspirar através da sua vida e da sua obra”, refere a nota enviada ao início da noite desta terça-feira.

A sua liberdade, a do pensamento, a da ação e a da criação, e a capacidade única de se traduzir para o mundo eram condição da sua existência. Com uma linguagem e um universo próprios, construídos ao longo de uma vida, Júlio Pomar foi um artista total, que marcou várias gerações e inscreveu a sua arte nos diversos momentos políticos do país. Num gesto natural e espontâneo, Júlio Pomar era um símbolo das artes e do conhecimento, que transmitia com a mesma simplicidade com que nos comovia“, referiu Luís Filipe Castro Mendes, salientando que Pomar “soube sempre projectar-se na intemporalidade”. Era “um mestre no qual repousa uma enorme sabedoria e um amor eterno pela vida e pelas artes”.
Bloco de Esquerda destaca “figura gigantesca da arte contemporânea portuguesa

Em declarações à Agência Lusa, o deputado do Bloco de Esquerda (BE) Jorge Campos sublinhou que o artista “não é apenas um grande artista português, mas também um artista universal”. “Júlio Pomar é uma figura gigantesca da arte contemporânea portuguesa e alguém que manteve uma atividade permanente de diálogo com a realidade na qual se insere“, afirmou o deputado, membro da comissão parlamentar de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto.

Para Jorge Campos, a morte do artista plástico “naturalmente que é uma grande perda, mas o seu legado, tal como a sua figura, é igualmente gigantesco”. “Esta obra que nos fica vai seguramente continuar a permitir-nos interpelá-lo e interpelarmo-nos em função daquilo que ele nos deixa e que é uma reflexão muito profunda sobre aquilo que somos — quem somos, onde estamos e para onde queremos ir”, observou.

De acordo com o deputado do BE, “desde muito novo” que Pomar “conviveu com grandes vultos da cultura contemporânea portuguesa”. “Depois vai para o Porto — suponho que em 1944 — e aí integra um grupo muito irreverente, o chamado grupo dos independentes, onde convive com artistas de grande notoriedade, como o Nadir Afonso, Júlio Resende e sobretudo do Fernando Lenhas, de quem ele era muito amigo”, contou.
A atenção que o artista plástico dedicou “ao real naturalmente que se cruza com os caminhos do neorrealismo”, sublinhando o bloquista o facto de Pomar ter sido “um cidadão muito activo e politicamente muito empenhado, que inclusivamente conheceu as prisões do fascismo”.

ZITA FERREIRA BRAGA

HARDMÚSICA

julio pomar.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D